Alberto Babo abandona interclube

Alberto Babo, técnico português, que nos últimos nove anos trabalhou no basquetebol angolano, segue viagem hoje, quarta-feira, às 22h00, para a cidade do Porto, Portugal, sua terra natal, depois de ter terminado o seu vínculo laboral com a formação do Grupo Desportivo Interclube.

Alberto Babo, técnico português, que nos últimos nove anos trabalhou no basquetebol angolano, segue viagem hoje, quarta-feira, às 22h00, para a cidade do Porto, Portugal, sua terra natal, depois de ter terminado o seu vínculo laboral com a formação do Grupo Desportivo Interclube.
Chegado pela primeira vez a capital angolana, Luanda, em 2009, pelas mãos do Atlético Petróleos de Luanda, onde trabalhou durante cinco anos, tendo arrebatado um título de campeão nacional, uma Supertaça Compal, para além de um segundo lugar da Taça dos Clubes Campeões Africanos, o técnico Alberto Babo parte para o velho continente, com o sentimento do dever cumprido.
Talhado para trabalhar com jovens jogadores , o técnico português fez um trabalho notável na formação tricolor, serviço este que se estendeu ao Grupo Desportivo Interclube, onde trabalhou durante cerca de três anos e meio.
Em três anos e meio, o técnico português, Alberto Babo, de 70 anos de idade, conseguiu montar uma equipa altamente competitiva, composta maioritariamente por jovens atletas, com realce para Rogério Ngombo, Fidel Cabita, Alexandre Jungo, José Salvador, Egídio Ventura e Paulo Márcio Barros, dentre outros.
Apesar de ter conquistado, no início temporada desportiva 2017/2018, a Supertaça Wlademiro Romero, numa conquista inédita para a equipa adstrita a Polícia Nacional, para além de dois Campeonato Provinciais, Alberto Babo, técnico campeão nacional pelo Futebol Clube do Porto em duas ocasiões, antes de ingressar no basquetebol doméstico, não resistiu a “chicotada” a meio da temporada, quando a equipa estava fortemente embalada na luta pelo troféu da 40ª edição do Campeonato Nacional de basquetebol, vulgo Unitel Basket.
Babo foi então convidado pela direcção do Grupo Desportivo Interclube, presidida por Alves Simões, a desempenhar a função de director técnico, já que o contrato que ligava o técnico português ao grémio da Polícia, expirava no mês de Junho.
Na hora do adeus, Alberto Babo não escondeu a sua satisfação por ter trabalhado no basquete angolano, particularmente no Atlético Petróleos de Luanda e no Grupo Desportivo Interclube, assim como não colocou de parte um possível regresso ao país, que ele considera como pátria do basquetebol africano.
“Parto com o sentimento do dever cumprido. Creio que, nesta minha curta passagem a Angola, sempre procurei dar o meu melhor em prol do basquetebol angolano, país que eu considero como pátria do basquetebol africano. Foi uma experiência formidável. Portanto, nunca se diz nunca na vida. Se, eventualmente, num futuro breve surgirem convites de projectos credíveis, naturalmente não terei qualquer problema em regressar a este país, onde as pessoas vivem intensamente o basquetebol”, asseverou o técnico Alberto Babo.
Orientar equipas com a dimensão do Grupo Desportivo Interclube e Atlético Petróleos de Luanda, foi um dos pontos mais altos da sua longa carreira como treinador, iniciado em terras lusas.
“Angola é, sem sombras de duvidas, a pátria do basquetebol africano, respeitando, como é evidente as outras noções africanas. Mais do que dar o pouco do meu saber em prol do basquetebol angolano, creio que ser treinador de duas equipas carismáticas de Angola é sempre reconfortante para qualquer treinador”, reconheceu.
“Ama o que fazes, acredita no que fazes e quando tiveres uma oportunidade, mostra o que fazes” foram com estas palavras que o técnico Alberto Babo começou a sua carta de despedida e que o Jornal dos Desportos teve acesso.
“Foi com muita paixão que tenho por esta modalidade, que vim fazer aquilo que gosto, treinar equipas de basquetebol em Angola, pátria do basquetebol africano e também, porque não dizê-lo, respeitado por outros continentes. Foram nove anos com altos e baixos”, lê-se na extensa carta, onde Alberto Babo endereça os agradecimentos a todos os agentes da modalidade: os dirigentes dos dois clubes por onde passou, dirigentes federativos e associativos, árbitros e jornalistas.