Angolanos pretendem trazer a taça para o país

A selecção nacional de amputados defronta esta madrugada, em San Juan de los Lagos, México, a formação da Turquia na grande final do Campeonato do Mundo de futebol com muletas.

A selecção nacional de amputados defronta esta madrugada, em San Juan de los Lagos, México, a formação da Turquia na grande final do Campeonato do Mundo de futebol com muletas. Depois da boa prestação em 2014,  na primeira presença, em que perdeu diante da Rússia, os angolanos procuram alcançar o inédito.
Com uma postura e atitude vencedora, assente na verticalidade de passe e movimentos rápidos com pressão alta e agressiva, o combinado nacional tem sido decisivo nos momentos cruciais das partidas. Esta postura, aliada a forma como privilegia o ritmo competitivo tem sido a chave do sucesso.
O presidente do Comité Paralímpico Angolano, Leonel da Rocha Pinto, reagiu ontem à Rádio Cinco, a boa campanha e atitude do combinado nacional. O dirigente considerou que o primeiro objectivo foi já cumprido, agora resta apenas aguardar pelo desfecho da segunda final consecutiva, em duas presenças na prova.
\"Queremos trazer a Taça de Campeão em casa e creio que este objectivo norteia a todos atletas e notamos o engajamento de todos eles. A motivação é grande e creio que estamos perante uma equipa de grande desafio. É só olharmos que o campeão ficou para traz e Angola demonstrou mais uma vez das vinte e poucas selecções presentes no Mundial, que o desporto paralímpico continua a conquistar o seu espaço\", sublinhou.
Afirmou que a campanha da selecção merece o carinho de todo o país por tudo que têm feito até ao momento em prol da modalidade, não apenas no país mas além fronteiras. Defendeu a necessidade de os angolanos estarem todos unidos.
\"Este é um resultado que todos os angolanos devíamos nos orgulhar e sentir que, os nossos atletas pelo que têm feito por este país, é motivo de satisfação, porque quando se dedicam fazem com seriedade e devem continuar a receber todo o nosso apoio, pois, estão a defender o país com dignidade\", destacou o dirigente.
Nas meias-finais, Angola venceu o Brasil, por 2-1, após prolongamento (0-0 no tempo regulamentar), numa campanha em que perdeu apenas um jogo frente ao Haiti, por 2-1, na primeira fase.