Campeão resolve no primeiro tempo

À saída da segunda jornada do Girabola, nenhuma das equipas concorrentes chegou aos cinco pontos, face à onda de empates verificada na abertura. De momento, seis equipas, ambas com quatro pontos, disputam a liderança.

O 1º de Agosto deixou uma boa impressão, ontem, na vitória sobre o Desportivo da Huíla, por 2-0, com golos de Mabululu e Buá. Os militares dominaram por completo o jogo e a sua vitória peca na escassez de golos. 
Os pupilos comandados por Ivo Traça entraram dispostos a marcar cedo e demonstraram esta atitude nos minutos inicias, com os remates de Mabululu e Buá, mas sem levarem o efeito desejado.
A jogar em casa os rubro-negro não queriam deixar os seus créditos em mãos alheias e apostaram na velocidade para criar dificuldades ao último reduto dos huilanos, onde o sobressaiu o guarda-redes Ndulu, bastante interventivo no desafio.
Porém, foi apenas uma questão de tempo, pois Mabululu, aos 23´, tratou de finalizar uma jogada de profundidade feita pelo guarda-redes Tony Cabaça, o avançado recepcionou no peito e dentro da área, rematou a contar.
A vantagem do tricampeão nacional não era surpresa, pois foi o conjunto que mais atacou e com remates melhores enquadrados, enquanto os pupilos de Mário Soares tinham sérias dificuldades em fazer o seu jogo e de importunar Tony Cabaça.
A falta de jogos de controlo dos huilanos na pré-época ficou reflectida no desafio, uma vez que as jogadas ofensivas terminavam sem grande perigo para os defesas do 1º de Agosto. Para confirmar ainda mais a superioridade militar, o médio Buá, aos 41´, ampliou o resultado, após uma assistência de Ary Papel, que procura atingir a sua forma desportiva.
No reatamento o técnico Ivo Traça deixou no banco Mongo e lançou Geraldo, mas foi o Desportivo da Huíla quem entrou melhor no desafio, criou situações de perigo, mas não finalizou.
Aos poucos o 1º de Agosto despertou, muito por conta de Geraldo, uma autêntica dor de cabeça para os adversários, juntando-se a Ary Papel e Mabululu no ataque. Os rubro- negro atacavam mas o terceiro golo teimava em não acontecer, devido a falta de eficácia dos seus avançados.
Apesar disso, o Desportivo da Huíla nunca virou a cara à luta, tentou marcar o golo de honra, que ficou apenas na intenção, inclusive viu duas bolas \"beijar\" o ferro, já no período de compensação.


Apito deixa
dúvidas

O árbitro Chitano Francisco realizou um trabalho com algumas dúvidas e influenciou o resultado final. Mesmo acompanhando as jogadas de perto, pecou em algumas situações disciplinares, num desafio, onde os jogadores, por vezes passaram a linha do limite das regras. Outro aspecto negativo esteve ligado ao equipamento que utilizou, ou seja, tudo preto, uma situação que confundiu diversas vezes os jogadores do 1º de Agosto, que apesar de usarem a camisola vermelha e preta, tinham a mesma cor do calção e a mesma cor nas meias. Aliás, as três equipas no relvado usaram calções pretos. Os agostinos queixaram-se de duas situações de penálti que o juiz deixou passar.

OPINIÃO DOS TÉCNICOS
Mário Soares   (Desportivo)

\"Uma derrota normal\"
\"É uma derrota normal. São duas equipas diferentes, o 1º de Agosto está bem, apesar do grande número de jogos que fez, eles começaram a época em Janeiro e ainda não pararam. O 1º de Agosto entrou melhor que a minha equipa e aproveitou as oportunidades que teve. Vamos ter agora uma pausa de três semanas. Não é o resultado que queríamos, porque era nossa intenção contrariar ao máximo o adversário, mas temos de corrigir os aspectos defensivos\".


Ivo Traça (1º de Agosto)
\"Jogámos para ganhar\"

\"O 1º de Agosto joga sempre para ganhar. Foram duas partes distintas, marcámos dois golos na primeira metade e no segundo tempo fizemos a gestão do resultado, sem relaxar. Agora vamos ter uma paragem no campeonato e vamos aproveitar para descansar alguns jogadores, porque outros serão convocados para a selecção nacional, e vamos trabalhar com aqueles que ficarem. Naturalmente que queríamos ganhar os primeiros três pontos no campeonatos e estamos satisfeito com a equipa\".