Estudantes facturam nos descontos

A Académica do Lobito teve de empenhar-se a fundo para vencera o Cuando Cubango FC, por 1-0, em desafio disputado no estádio do Buraco, para a 10ª jornada do GirabolaZap2018. No minuto 90+8, Jorge Kadú, de penálti. sentenciou a contenda que terminou em confusão autêntica.  

A Académica do Lobito teve de empenhar-se a fundo para vencera o Cuando Cubango FC, por 1-0, em desafio disputado no estádio do Buraco, para a 10ª jornada do GirabolaZap2018. No minuto 90+8, Jorge Kadú, de penálti. sentenciou a contenda que terminou em confusão autêntica.
 No entender dos responsáveis da formação do Cuando Cubango, o árbitro influenciou no desfecho ao estender o jogo para além do tempo regulamentar (90 minutos), não obstante as constantes paragens registadas ao longo da contenda.
Um jogo manchado pela postura insolente dos responsáveis e alguns atletas da formação treinada pelo professor Abel da Conceição que, diga-se de passagem, pagaram pela forma como se apresentaram em campo. Caiam que se fartavam, ante à insatisfação do público que clamava pela intervenção do árbitro.
No fundo, foi uma prática que só beneficiou os intentos da formação dos estudantes que, apesar de sofrer, soube tirar proveito da situação para, no fim, facturar e continuar animada na corrida pela manutenção.
O golo aconteceu, justamente, numa altura em que os jogadores, técnicos e responsáveis do Cuando Cubango FC se preparavam para festejar o empate. Ledo engano, pois a sorte foi-lhes madrasta.
 Foram os comandados de Rui Garcia que saltaram de alegria, pelo facto de no último minuto de desconto (90’+8’) o chute de Filipe acertou no braço de um defesa contrário.
A estratégia montada pelo técnico do Cuando Cubango falhou e, pior do que isso, acabou por estragar a festa. Os jogadores choravam e, envergonhados, atiravam por tudo e por nada contra a actuação da arbitragem.
 Na verdade, o golo foi justo, tanto é que surgiu de um lance dividido. Ou seja, a bola na trajectória do golo embateu na mão do central Kizombé e o árbitro em cima dos acontecimento sancionou o castigo máximo, executado positivamente por Jorge Kadú.
A actuação da equipa da arbitragem liderada por Airton Carmelino, assistido por Aldair Carmelino e Adão Silva, foi positiva. Frio e atento no desenrolar dos lances.
Além de mostrar frescura física e resistência (correu a toda dimensão do campo desde o principio ao fim), não vacilou quando chamado a impor regra e disciplina em campo. Esteve bem na invalidação de um golo da Académica rubricado por Jorge Kadú. Na óptica dos seus assistentes (Aldair Carmelino), lance antecedeu de uma falta sobre o guarda-redes Rochana. Mereceu distinção positiva da nossa parte.