"Gostava de voltar ao Girabola"

O técnico sérvio, Zoran Maki, demitido há duas semanas, do Wydad de Casablanca, após o empate a duas bolas, no jogo com o Petro de Luanda, referente à quarta jornada do Grupo C, da Liga dos Clube Campeões Africanos, afirmou, em entrevista ao Jornal dos Desportos, estar interessado em trabalhar em Angola, desde que os projectos e propostas financeiras sejam agradáveis. 

O técnico sérvio, Zoran Maki, demitido há duas semanas, do Wydad de Casablanca, após o empate a duas bolas, no jogo com o Petro de Luanda, referente à quarta jornada do Grupo C, da Liga dos Clube Campeões Africanos, afirmou, em entrevista ao Jornal dos Desportos, estar interessado em trabalhar em Angola, desde que os projectos e propostas financeiras sejam agradáveis. 

Falando ao telefone, a partir da cidade do Porto (Portugal), onde reside, actualmente, o antigo treinador do Kabuscorp do Palanca, Sagrada Esperança e 1º de Agosto mostrou-se reservado, em relação à notícia divulgada pelo nosso jornal, que dá conta de uma negociação com o Petro de Luanda, cuja direcção desmentiu.

\"É claro, que gostava de voltar a trabalhar em Angola, onde conquistei título e fiz muitos amigos.  Mas devo dizer que dependeria de vários factores, entre os quais a vertente salarial\", disse categórico o sérvio que deixou transparecer a ideia de que provavelmente não terá chegado a acordo com os tricolores.

Questionado se recebeu alguma proposta de algum clube angolano, para regressar ao Girabola Zap, Zoran Maki limitou-se a responder que \"ainda não\", assegurou que não ficará no desemprego, durante muito tempo, porque \"nos próximos dias haverá novidades\". 

O sérvio voltou a deixar no segredo, o país onde pode vir a trabalhar, mas garante que \"quando chegar a melhor altura\", o nosso jornal saberá o nome da próxima equipa que vai orientar. \"Não vai demorar muito tempo, vocês vão ter notícias\", assegurou.  

De recordar que uma fonte do JD, no Petro de Luanda, chegou a confidenciar que o treinador sérvio estaria em negociações com a direcção do clube petrolífero, para orientar a equipa até ao final da presente época futebolística. 

Em reacção, o clube do Eixo- Viário emitiu um direito de resposta, em que alega serem falsas as informações, \"porquanto, em momento algum qualquer pessoa ligada à nossa agremiação fez qualquer tipo de contacto com o referido treinador\", assegurou, de seguida, \"Não fazer sentido mudar de treinador\".

Zoran Maki é, actualmente, um treinador livre, no mercado, na sequência da demissão do comando técnico do Wydad de Casablanca, de Marrocos, após o empate averbado na quarta jornada da Liga dos Campeões Africanos, em Luanda, curiosamente, frente ao Petro de Luanda.

O sérvio ganhou créditos no mercado futebolístico angolano, mercê das anteriores experiências ao serviço do Kabuscorp do Palanca, Sagrada Esperança e 1º de Agosto, este último clube, em que conquistou o título do Girabola Zap, em 2018, e chegou à meia-final da Liga dos Campeões de África.

Roque Sapiri quer ganhar tempo 
O novo treinador do Sagrada Esperança, Roque Sapiri, que fez a estreia, no sábado, no Dundo, em que registou derrota, por 1-0, no jogo com o FC Bravos Maquis, referente à 17ª jornada do Girabola Zap 2019/2020, pretende ganhar tempo, para a equipa encontrar os melhores caminhos e sair da \"zona perigosa\" em que se encontra na competição.     O antigo defesa esquerdo dos lundas, que assumiu a liderança da equipa técnica dos diamantíferos, após a derrota (2-0) frente ao Interclube, no Estádio 22 de Junho, em substituição do  Rui Oliveira que durante dois meses esteve interinamente no comando do grémio verde e branco, justificou que o Sagrada Esperança tem de evitar correr atrás do tempo, sob pena perder ainda mais terreno para os rivais.  \"Não devemos deixar o tempo andar, para depois irmos atrás dele. Temos mais uma semana para trabalhar e introduzir novas ideias\", defendeu o treinador.  Depois da \"travessia no deserto\", devido ao seu afastamento, no passado dia 16 de Novembro de 2019, da equipa técnica, então liderada pelo português Paulo Torres, o agora treinador principal disse que o Sagrada Esperança não merecia perder o jogo com FC Bravos do Maquis.  De acordo com Roque Sapiri, a sua equipa fez \" um bom jogo e teve o controlo do mesmo\", mas os erros cometidos no meio-campo ditaram o desfecho da contenda.  \"Fizemos um bom jogo e sem dúvidas que tivemos o domínio total, mas o futebol é  assim, a mínima falha é fatal. Deixámos de progredir no meio -campo, em que abrimos as linhas\", justificou.   O treinador do Sagrada Esperança  referiu que durante o desenrolar do jogo os seus jogadores acusaram dificuldades em cumprir com as acções planificadas ao longo da semana de preparação.  \"A equipa teve algumas dificuldades para cumprir com  o que planificamos. Tivemos o  controlo do jogo, criámos várias oportunidades, mas não conseguimos marcar \", declarou Roque Sapiri, para lamentar, que na única oportunidade que teve, o FC Bravos do Maquis fez o golo que permitiu vencer o dérbi do Leste.  Roque Sapiri conta, na equipa técnica, com Moniz Frank e António Lebo Lebo, como adjuntos. Jonny Matumona (técnico de guarda-redes) e Rui Oliveira (preparador físico) integram,  também, a equipa técnica da formação diamantífera.