Reforços mostram créditos

O 1º de Agosto deu um importante passo para transitar para a segunda eliminatória da Taça dos Clubes Campeões Africanos ao vencer ontem, no estádio 11 de Novembro, em Luanda, por 3-0, a equipa do Futebol Clube Platinum do Zimbabwe, num jogo vivo e com muita emotividade mas  sem convencer.

O 1º de Agosto deu um importante passo para transitar para a segunda eliminatória da Taça dos Clubes Campeões Africanos ao vencer ontem, no estádio 11 de Novembro, em Luanda, por 3-0, a equipa do Futebol Clube Platinum do Zimbabwe, num jogo vivo e com muita emotividade mas  sem convencer.
A enorme disposição com que o 1º de Agosto abordou o jogo, logo fazia prever que o seu desempenho seria acima da média, tendo em conta o início da época e, do mesmo modo, o resultado que o seu rival, Petro de Luanda conseguiu no sábado, tudo para levar o futebol angolano à conquista de África.
O futebol apoiado e evolvente ante a equipa zimbabweana que vinha igualmente com lição bem estudada e disposta a contrariar o favoritismo dos donos de casa, aliando ao enorme apoio da sua claque, motivou que os militares entrassem de rompante mas, ainda assim, com pouca tranquilidade e muita ansiedade, por força das insuficiências provocadas pela pré-época. Prova disso é que, desacelerou e remeteu-se a jogar com alguma lentidão esperando a reacção do adversário.
Mesmo assim, os comandados por Zoran Maki insistiam no ataque e aos 7’ inauguraram o placar por intermédio de Mongo, culminando uma jogada de envolvência de Geraldo que entrou na área, cruzou curtinho para Jacques que, de costas para a baliza, endossou a bola para Mongo atirar para o fundo da baliza adversária.
Por seu turno, os forasteiros mostravam uma tranquilidade estranha. Ou seja, mesmo em desvantagem, não aceleraram. Passaram a jogar na mesma toada, trocando bem a bola e fazendo transições ofensivas bem automatizadas, chegando à baliza adversária com algum perigo. Os zimbabweanos demonstravam ter ritmo competitivo e alguma maturidade. Sobretudo o que faziam dentro das quatro linhas.
Neste período, esperava-se que os militares fossem continuar a utilizar \"artilharia pesada\" investindo na ofensiva e aproveitando o momento de alta. Ao contrário, preferiu reduzir o fulgor.
Mas, a estabilidade psicológica patenteada pelos rapazes de Zoran Maki fazia notar que mesmo com aludida lentidão, pudessem cadenciar o jogo imprimindo, quando necessário as mutações de velocidade para chegar a baliza adversária mas, largas cautelas porque, a partir do minuto 30’, os zimbabweanos subiram no terreno e passaram a chegar com maior rapidez e facilidades à baliza de Neblú. O remate ao lado aos 32’, do médio Rodwell, justifica isso mesmo. Antes de terminar a etapa inicial, Geraldo surgiu bem pela direita mas, fez mal o drible para dentro e foi desarmado, numa \"chance\" em que tinha tudo para ampliar o placar. 

SEGUNDA PARTE

Na etapa complementar, a toada foi a mesma no início do prélio mas, com 1º de Agosto, como lhe competia, entrando afoito, procurando ampliar a vantagem. Os visitantes, aos 52’, bem tentaram o empate, num remate de Rodwell que obrigou Neblú a uma grande defesa.
 Zoran Maki notou o sub-rendimento de Gogoró e o substituiu por Nelson da Luz, aos 53’. No minuto seguinte, foi precisamente dos pés do jogador recém-entrado que saiu o passe para Natael. Este fez um cruzamento para área obrigando o corte da defesa com a bola a sobrar para Mongo que fez um primoroso passe à Jacques que, numa meia volta, atirou a contar. O mesmo Jacques, volvidos mais 6’, voltou a receber no peito outro passe de Mongo e, à ponta-de-lança, rematou, batendo o guarda-redes Magalane fazendo o bis e o terceiro para a sua equipa.
Ainda assim, os comandados por Morgan Mapeza não cruzaram os braços. Continuaram numa toada ofensiva, resguardando o seu meio-campo devido aos contra-ataques rápidos dos donos de casa. O sector defensivo dos militares continuava a ter muito trabalho. Na resposta, aos 70’, Mongo, que cinco minutos mais tarde viria a ser substituído por Bua, rematou forte mas a bola embateu no poste esquerdo do guarda-redes contrário.
Os visitantes continuaram a remar contra a maré mas, sem conseguir os seus intentos. O 1º de Agosto após o terceiro golo diminuiu o fulgor e não mais incomodou o último reduto dos forasteiros. Terminava o jogo em que os militares venceram mas, não convenceram por razões de início de época.


ARBITRAGEM
Trabalho razoável

O zambiano Andrick Nkole e seus auxiliares acabaram por fazer um trabalho razoável. Demonstrou boa frescura física no acompanhamento \"milimétrico\" dos lances e também procurou fazer os devidos julgamentos técnicos e disciplinares das jogadas, embora em alguns lances foi notório que se terá esquecido de mostrar a cartolina amarela.


MELHOR em CAMPO
Isaac incansável
Regressado após um longo período sabático, Isaac demonstrou grande capacidade competitiva mesmo estando todavia em período de pré-temporada. Defendeu e atacou como habitualmente mostrando também grande frescura física. Embora em alguns lances, tivesse mostrado falta de ritmo, Isaac deu o aviso que esta será uma época de afirmação, desforrando o tempo parado.

OPINIÃO DOS TÉCNICOS

Ivo Traça • 1º DE Agosto
“O resultado não é
ainda tranquilizador”

\"Quero felicitar os meus jogadores pela vitória. Ganhamos bem mas registamos processos lentos e ainda com algumas debilidades defensivas e principalmente nas transições ofensivas. Vamos trabalhar muito o aspecto defensivo porque o adversário é forte. Troca bem a bola e pode ser perigoso no seu reduto. O resultado não é ainda tranquilizador. Vamos tentar na segunda mão marcar um ou dois golos para assegurar a eliminatória e continuarmos na prova rumo a prossecução dos nossos objectivos\".


Norman Mapeza • F. C. Platinum
“Podemos inverter tudo no jogo da segunda mão”

\"Foi um jogo difícil onde a minha equipa criou oportunidades mas não soube concretizar. Sofremos golos por erros defensivos. Acreditamos que possamos mudar o curso dos acontecimentos. Isto é futebol. Por isso, vamos trabalhar de forma árdua para que no próximo jogo possamos estar melhor e lutar para invertermos o resultado a nosso favor\".