0 / 0

Acertos finais

Petro de Luanda, pela Taça da Confederação, e 1º de Agosto, a desfilar na fase de acesso à Liga dos Campeões de África, ensaiam as últimas estratégias para a estreia nas Afrotaças deste ano, primeiro os petrolíferos, no próximo sábado, e depois os militares no dia seguinte.

Petro de Luanda, pela Taça da Confederação, e 1º de Agosto, a desfilar na fase de acesso à Liga dos Campeões de África, ensaiam as últimas estratégias para a estreia nas Afrotaças deste ano, primeiro os petrolíferos, no próximo sábado, e depois os militares no dia seguinte.
Nos dois dias de agitação futebolística há previsões do Estádio 11 de Novembro registar casa cheia, por força, certamente, da \"fome\" de futebol que neste momento deve estar instalada no seio dos adeptos angolanos.
Os dois emblemas são na verdade as agremiações mais mediáticas cá da praça, e o facto de ambas estarem em representação do país nas competições de clubes da CAF com objectivos bem definidos, que passam por chegar à fase de grupos das duas provas, e depois pensar em novos voos, é um bom indicativo para a melhoria da imagem do futebol nacional, nos últimos anos bastante beliscada tanto pela má prestação da Selecção Nacional como pelos maus resultados dos nossos emblemas.
Ambos os clubes optaram por uma preparação caseira para a nova temporada, em que o palco escolhido foi a cidade de Benguela, ao invés dos estágios dispendiosos fora do país que durante muito tempo foi a opção de muitas das equipas participantes no Girabola.
E, e tal como no passado, os dois representantes angolanos podem ressentir-se da falta de jogos a doer antes deste compromisso africano, o Petro de Luanda com o Master Security do Malawi, e o 1º de Agosto frente ao Platinium do Zimbabwe.
E em relação a esta questão, em boa hora veio, pois, a uniformização dos calendários dos campeonatos em África preconizada pela CAF, e que a Federação Angolana de Futebol aderiu, e para a qual deu já passos significativos, com as alterações registadas no calendário nacional.
Petrolíferos e militares estão numa fase em que fazem os acertos finais, mas com os militares ainda à espera de uma decisão que possa reverter a suspensão de 70 dias a que foram alvo alguns dos seus mais influentes jogadores da parte da FAF, no \"conflito\" instalado entre esta instituição e o clube militar, por causa da ausência dos atletas nos trabalhos dos Palancas Negras que no Marrocos participou no CHAN.
Sem estes jogadores o 1º de Agosto terá, certamente, dificuldades acrescidas para cumprir com os objectivos que traçou para a competição africana e para a principal prova doméstica, o Girabola, em que vai partir como principal favorito, dado a sua condição de campeão em título.
Na competição africana os dois emblemas representam as cores do país, daí que devam beneficiar das melhores condições para a sua participação. O futebol angolano vai ter muito a ganhar se os dois clubes conseguirem fazer um brilharete.
E os angolanos  esperam por isso.